A Jornada de Estudos sobre a Ditadura Civil-Militar se apresenta como mais uma atividade realizada pelo Memorial da Faculdade de Direito da UFBA através de professores e estudantes envolvidos em pesquisas sobre a memória política recente do país, em especial no que toca à história política da Universidade Federal da Bahia. A partir de uma rede informal criada por comissões de memória e verdade, desde 2013 circulam esforços esparsos de pesquisadores e ativistas na Bahia que, pouco a pouco, foram se articulando e ainda continuam neste esforço.

Na Faculdade de Direito da UFBA, por exemplo, a combinação de três processos proporcionou um ambiente favorável: a instalação da Comissão de Memória e Verdade Eduardo Collier Filho; o incremento do projeto de Memorial, que contou com a singular contribuição da arquivista Solenar Nascimento; e a iniciativa da UFBA em lançar edital para financiamento de pesquisas sobre a nossa universidade na época da ditadura. A partir daí a Comissão de Memória e Verdade Eduardo Collier Filho iniciou um mergulho na memória que não cessa de produzir resultados no resgate histórico da Faculdade e da própria UFBA.

Com o financiamento de pesquisa, conseguimos ter acesso a documentos do Comissão Nacional da Verdade que ainda se encontravam em terminais de computadores do Arquivo Nacional, em Brasília e no Rio de Janeiro, e a documentos do antigo DOPS, guardados no Arquivo Público do Estado de São Paulo. Ao mesmo tempo, estudantes tem sido treinados, cada vez mais, na busca de documentos no Memorial. E as descobertas se sucederam. Em paralelo a essa movimentação, tivemos contato com a literatura da área, e apresentamos os resultados parciais dos nossos estudos em dois congressos nacionais de História do Direito.

Em quase três anos, circularam estudantes, vários deles bolsistas, professores e profissionais dedicados ao resgate histórico da Faculdade de Direito. Percebemos o potencial para um aprofundamento sobre o processo histórico que resultou no que hoje é a Faculdade e a Universidade e, de alguma maneira, uma dinâmica de pesquisa que nos obriga a repensar como tem sido contada a história até hoje.

As pesquisas relacionadas ao resgate da memória política da UFBA, na ocasião da ditadura, contaram com apoio da universidade e algumas delas foram apresentadas no Congresso de 70 anos, em 2016. Pesquisadores de diferentes unidades se envolveram em estudos variados que enriqueceram as leituras atuais sobre a história recente da universidade, da resistência contra a ditadura civil-militar, das formas de repressão estatal, além de reflexos do autoritarismo sobre a cultura. Esses trabalhos contribuem efetivamente para que a sociedade conheça seu próprio passado.

Neste sentido, a Jornada de Estudos sobre a Ditadura Civil-Militar se propõe a prestar contas à comunidade dos trabalhos desenvolvidos por professores, servidores e estudantes, enquanto pesquisadores.

Inscrições: http://www.jedicim2017.direito.ufba.br/