Lançamento em Salvador do filme “1968: a Greve de Contagem” de Carlos Pronzato

No dia 30 de agosto, quinta-feira, às 19h, o documentário 1968: a Greve de Contagem, primeira greve durante a ditadura militar, do diretor Carlos Pronzato, terá um lançamento especial na Saladearte Cinema do Museu (Av. Sete de Setembro, 2195, Museu Geológico, corredor da Vitoria, telefone: 71 3338-2241), com a presença do diretor e debate posterior. Previamente, será exibido o curta-metragem Retomadas Guarani Kaiowá, a luta pelo território (documentário/20 min./digital/2018) do mesmo diretor.

Ainda, de 31 de agosto, sexta feira, à 5 de setembro, quarta-feira, entra em cartaz na mesma Sala, 1917, a Greve Geral (documentário/90 min./digital/2017), também com direção de Carlos Pronzato, lançado no ano passado, no centenário da primeira Greve Geral do Brasil, ocorrida em julho de 1917, promovida por organizações operárias de origem anarquista, e que foi uma das mais abrangentes e longas da História do Brasil. O documentário, através de entrevistas a especialistas e estudiosos do tema, celebra o centenário da primeira vitória da classe operária, arrancando conquistas sócias do Estado e do Patronato da época.

O documentário 1968: a Greve de Contagemprimeira greve durante a ditadura militar, já teve apresentações especiais em julho deste ano no Sindicato dos Metalúrgicos de Contagem, Juiz de Fora, MG, Maricá, RJ, João Pessoa, no MIS (Museu de Imagem e Som) de BH, na Mostra “A ditadura na tela”; em São Paulo e Osasco. Em 2018 comemora-se os cinquenta anos da primeira greve operaria durante a ditadura militar (1964 – 1985). Através de depoimentos de historiadores, investigadores e operários que participaram dessa histórica greve na Cidade Industrial de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, o documentário reconstrói este episódio que se prolongou naquele mesmo ano, em julho, na famosa greve de Osasco, em São Paulo, acirrando o confronto com a burguesia no período militar e lançando as sementes do novo sindicalismo que surgiria uma década depois.

Mas qual foi o saldo real da Greve de Contagem? O saldo foi que este movimento tornou-se um marco. Introduziu no Brasil um novo modelo de organização de trabalhadores. Recusou a lei anti-greve e combateu o arrocho salarial de mais de 12% contado desde a tomada do poder pelos militares. Levou o governo a conceder primeiro aos operários de Contagem e, depois, a todos os operários brasileiros, um aumento salarial de 10%, primeiro desde 1964. Mais: o patronato viu-se impedido de evitar a greve, perdendo também o controle sobre a massa trabalhadora” (MIRANDA, Nilmário. A cidade operária símbolo. In Teoria e Debate, 2008, p. 22.)

1968: a Greve de Contagem, primeira greve durante a ditadura militar

Direção, Roteiro e Produção: Carlos Pronzato

Câmera: Carlos Mandacarú

Edição: Luís Oliveira

Pesquisa e Montagem: Carlos Pronzato

Consultoria Histórica: Carolina Dellamore

Trilha sonora: Babilak Bah

Tema musical: Alexandre Salles e Ulisses de Andrade

Ano de Produção: 2018

Duração: 50 min.

Realização: La Mestiza Audiovisual

Carlos Pronzato é cineasta, diretor teatral e poeta argentino/brasileiro. Suas obras audiovisuais e literárias destacam-se pelo compromisso com a cultura, a memória e as lutas populares. Dentre seus mais de 70 documentários destacam-se “O Panelaço, a rebelião argentina”, “Bolívia, a guerra do gás”, “Buscando a Salvador Allende”, “A Revolta do Buzu”, “Carabina M2, uma arma americana, Che na Bolívia”, “Madres de Plaza de Mayo, verdade, memória e justiça”, “Marighella, quem samba fica, quem não samba vai embora”, “Pinheirinho, tiraram minha casa, tiraram minha vida”,  “Mapuches, um povo contra o Estado”, “A partir de agora, as Jornadas de Junho 2013”, “Dívida Pública Brasileira, a Soberania na Corda Bamba”, “Acabou a Paz, isto aqui vai virar o Chile, escolas ocupadas em São Paulo”, “Terceirização, a bomba relógio”, “Ocupa Tudo, Escolas Ocupadas em Paraná”, “A Escola Toma Partido, uma resposta ao Projeto de Lei Escola sem Partido”, “1917, a Greve Geral”, etc. Entre outras importantes distinções recebeu, em 2008, o prêmio da CLACSO (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais), em 2009, na Itália, o prêmio Roberto Rossellini, e em 2017 o Premio Liberdade de Imprensa pelo jornal Tribuna da Imprensa Sindical, no Rio de Janeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu