Por unanimidade, Assembleia aprova paralisação no dia 10 de novembro

Na Assembleia realizada ontem (08) no auditório do PAF III (Ondina/ UFBA), com grande participação, a categoria docente da UFBA (Salvador) aprovou por unanimidade adesão à paralisação nacional convocada pelas centrais sindicais para a sexta-feira, 10 de novembro. A plenária discutiu sobre o cenário de desmonte do Estado e esfacelamento dos direitos sociais, os ataques e tentativas de desqualificação dos/as servidores/as e do serviço público, ameaças à educação, ciência e tecnologia, além do crescimento do conservadorismo que tem buscado amordaçar as artes e a própria atividade docente, tanto na educação básica como na universidade. Foi consenso durante a Assembleia que o momento pede unidade entre as categorias, mobilização permanente e construção de projetos alternativos para o país. A plenária também encaminhou a continuidade atividades de mobilização como passagem em unidades, realização de aulas públicas, articulação com outras entidades e construção de campanhas midiáticas.

Informes

IMG_8021800 IMG_8032800

Após os informes da diretoria, apresentados pelo vice-presidente Ricardo Carvalho (que conduziu a mesa junto com a diretora acadêmica Raquel Nery) – leia aqui – foi aberto o momento de informes da plenária. A professora Celi Taffarel (Faced) falou sobre a sua participação como representante da Apub na Plenária Estadual da CUT-BA, ocorrida naquele mesmo dia, cuja pauta foi a preparação para o dia de mobilização, 10 de novembro. Foram articulados os pontos estratégicos onde cada categoria fará seus atos e recomendado que todas se concentrem no Campo Grande às 10h para caminhada até a Praça Municipal. Foi encaminhada também uma nova reunião do Fórum Estadual dos Servidores Públicos Federais, no dia 16/11, às 10h, na sede da Apub. (veja aqui o relato completo da professora). Outro informe foi dado pelo professor Joviniano Neto (Aposentado/FFCH) sobre a sua participação na Plenária Nacional do Serviço Público e das Estatais como representante do PROIFES-Federação. (veja aqui o relatório)

Apresentação da profª Graça Druck

IMG_8051800 IMG_8071800

A convite da diretoria da Apub, a professora Graça Druck (Aposentada/FFCH) apresentou dados sobre o desmonte do serviço público e cortes nos gastos sociais. Falou sobre como a narrativa do déficit não considera, por exemplo a renúncia fiscal que o governo promove com as desonerações para empresas privadas ou as renegociações de dívidas como o Refis. Fez a crítica à Medida Provisória 805 afirmando que ela significa, de fato, redução salarial uma vez que os/as docentes terão pesadas perdas, especialmente com o aumento da contribuição previdenciária. Outro dado trazido pela professora foi a situação do orçamento da UFBA, divulgada pela Apub a partir de informações do Pró-reitor Eduardo Mota. Ela chamou a atenção para a redução das verbas de custeio, que impactam diretamente no funcionamento da universidade e no pagamento dos/as trabalhadores/as terceirizados. Denunciou que o Brasil sofre um aprofundamento de medidas ultraliberais e que era necessário fazer a mobilização junto com a sociedade.

Debate

IMG_8092800 IMG_8127800

No debate, muitos/as docentes saudaram a boa participação da categoria na Assembleia e reafirmaram a importância de fortalecimento dessa instância e da presença nas ruas; por outro lado, a necessidade de se pensar também em formas alternativas de mobilização foi trazida à tona, assim como a aproximação com a sociedade. Nesse sentido, foram encaminhadas a realização de aulas públicas, cujo calendário seria organizado pela Comissão de Mobilização que já está ativa na Apub. A ascensão de um conservadorismo com traços fascistas foi outro ponto destacado no debate; as professoras Maíra Kubik (Neim) e Patrícia Valim (FFCH) compartilharam experiências preocupantes de intolerância. O professor Rodrigo Pereira (Faced) relatou o caso de um docente da UFOP, investigado por conta do seu grupo de pesquisa sobre o comunismo. Por fim, diversos docentes destacaram que era fundamental construir a unidade das categorias e das instâncias representativas.

Encaminhamentos

  • Paralisação no dia 10 de novembro
  • Passagem de carro de som e panfletagem nos dias 09 e 10 de novembro
  • No dia 10, ato com café da manhã na Reitoria às 09h e caminhada no Campo Grande às 10h
  • Realização de aulas públicas
  • Convite às entidades de representação docente para a construção de um Fórum Estadual em defesa da universidade pública
  • Campanha de mídia em defesa do serviço público
  • Moção de repúdio à investigação do professor André  Mayer (UFOP), que segue abaixo:

MOÇÃO DE REPÚDIO

Nós, professores da UFBA, reunidos em assembleia no dia 08 novembro de 2017, declaramos nossa perplexidade e  repúdio à abertura de Inquérito Policial (IP 1514/2017-4 SR/PF/MG), contra o Professor André Mayer da Universidade Federal de Ouro Preto.

Trata-se de um processo que ataca frontalmente o artigo 207 da Constituição Federal quer versa sobre a autonomia universitária e, ao mesmo tempo, compromete a liberdade de pesquisa acadêmica e a construção do livre saber e pensar.

Declaramos também nosso apoio ao Professor André Mayer, coordenador da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Ouro Preto, docente que está sendo investigado pela PF.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu