Professores são barrados no MEC ao tentar entregar troféu “Cortando o Futuro 2019” ao Ministro da Educação

Em Brasília, membros do Observatório do Conhecimento foram impedidos de entrar no prédio do Ministério da Educação.Rede de associações de docentes universitários critica os 6 primeiros meses do governo Bolsonaro em relação à educação pública. 

Brasília, DF, 02 de julho de 2019 – No final da manhã de hoje, uma comitiva formada por professores universitários representando o Observatório do Conhecimento foi ao MEC para entregar o troféu “Cortando o Futuro 2019”, uma escultura em forma de tesoura, ao Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Os professores, servidores públicos federais, foram impedidos de entrar no prédio do MEC; a segurança do ministério sequer permitiu o protocolo da carta e troféu.

“O MEC fechou suas portas com cadeado, é muito simbólico. Não é possível que o MEC se sinta ameaçado por seus próprios professores. Estamos aqui para entregar uma carta e esse troféu como pressão simbólica pela revogação dos cortes orçamentário dos institutos e universidades federais de ensino. Somos professores comprometidos com a educação de qualidade, viemos dialogar mas fomos barrados em nosso próprio ministério. Essa gestão do MEC não demonstra qualquer apreço ao ensino, à universidade pública e ao futuro do país. Mais do que nunca, ele merece o troféu Cortando o Futuro”, declarou a professora Ligia Bahia, vice-presidente da ADUFRJ (UFRJ) e porta-voz do Observatório do Conhecimento. 

Segundo o Observatório do Conhecimento, rede independente que reúne 14 associações de docentes de universidades públicas de diversos estados do país, o troféu “Cortando o Futuro 2019” simboliza a trágica ironia do Brasil ter um Ministro da Educação que trabalha contra sua própria pasta, apoiando a redução dos investimentos e desprezando as conquistas sociais da educação pública nas últimas décadas. Para os docentes, o Ministro Weintraub vem desrespeitando professores e estudantes desde que assumiu o cargo.

Na carta endereçada ao MEC, o Observatório afirma que os seis primeiros meses do governo Bolsonaro mostram que o ministério da educação se empenhou em promover cortes de 30% no orçamento de custeio das universidades, institutos federais e bolsas de pesquisa, além de propagar ameaças à autonomia universitária e difundir mentiras sobre a qualidade da ciência nacional. “O ministro não dialoga com professores, não atende às necessidades do setor e ainda usa chocolates e guarda-chuva em performances vazias”, conclui a professora Ligia Bahia.  

Desde o início de abril, o Observatório do Conhecimento vem monitorando e expondo as decisões equivocadas do MEC. A entidade produziu o documento “Cortes, Mentiras e Ameaças: 6 meses de guerra do governo Bolsonaro contra a educação pública brasileira” que revela o profundo retrocesso promovido pelo governo Bolsonaro na área de acesso, produção e difusão do conhecimento no país.

O documento também aponta violações à autonomia universitária, princípio garantido pela Constituição Federal. “Nossa autonomia tem sido desrespeitada pelo Ministro Weintraub com apoio do Presidente Bolsonaro. Exemplos concretos são a nomeação de reitores não eleitos pelas comunidades universitárias e o decreto 9.794/2019, que permitirá ao presidente interferir na nomeação de diretores e pró-reitores, entre outros cargos. Uma universidade pública sem liberdade acadêmica, na qual professores vivem acuados e com medo de perseguição política, é uma universidade sem futuro. Por tudo isso, o governo e o ministro Weintraub merecem esse troféu”, argumenta o professor Dr. Flávio Alves da Silva, presidente da ADUFG (UFG) e porta-voz do Observatório.

Além das políticas desastrosas para a educação, o Observatório do Conhecimento ressalta que outras medidas como a Reforma da Previdência e a EC do Teto de Gastos agravam a situação dos docentes, trabalhadores, pesquisadores e estudantes que formam a comunidade universitária.

“As portas fechadas do MEC são um desrespeito aos professores e ao nosso direito constitucional à livre manifestação. Porém, não vamos desistir e entregaremos o troféu Cortando o Futuro em uma oportunidade próxima, pública, na qual o ministro não poderá nos ignorar. Reforçando o recado que tem sido dado por enormes manifestações nas ruas, como as que aconteceram nos dias 15 e 30 de maio em centenas de cidades brasileiras e nas pesquisas de opinião pública, vamos manter a pressão até que os cortes sejam revogados e as garantias de autonomia universitária sejam respeitadas”, declarou o professor Wagner Romão, presidente da ADUNICAMP (UNICAMP) e porta-voz do Observatório.

Veja vídeo do ato: 

https://www.facebook.com/observatoriodoconhecimento/videos/410949956434105/ 

O troféu Cortando o Futuro 2019 foi produzido pelo artista paulistano Thiago Mundano com madeira de reuso. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu