Reforma da Previdência ataca principalmente mulheres e pobres, diz presidente do PROIFES

Só para chegar na parte da reforma da Previdência Social o Presidente do PROIFES-Federação, Eduardo Rolim (ADUFRGS-Sindical), demorou mais de uma hora. Este prefácio envolveu o histórico da previdência nacional desde a redemocratização e a Constituição de 88, passando pelas várias Emendas Constitucionais com suas alterações de regras e ajustes, até as diferentes categorias de trabalhadores, dependendo de quando começaram a contribuir.  Era uma contextualização necessária para colocar todos os servidores do Instituto Federal do Paraná (IFPR) com um vocabulário comum, antes de discutir a proposta do Governo de Michel Temer.

A palestra aconteceu na tarde de sexta-feira, 3, no auditório do campus Curitiba do IFPR, por convite do SINDIEDUTEC-Sindicato em resposta ao sentimento de insegurança crescente em sua base diante da Reforma da Previdência proposta pelo governo atual. Para Eduardo Rolim está claro que esta é mais uma medida que busca colocar nas costas dos trabalhadores mais pobres o ônus de um rombo cuja própria existência é questionável (e, inclusive, segue sendo questionada).

Rolim aponta para uma série de absurdos propostos pela reforma, envolvendo, por exemplo, a variação da idade mínima caso a expectativa de vida brasileira aumente; o fato de não haver nenhuma menção à questão da doença grave; a alteração da invalidez para incapacidade, com o servidor podendo ser até mesmo realocado para outra função; e que, pela primeira vez, a aposentadoria poderá ser menor que o salário mínimo. Estes absurdos mostram que, para este governo, as pessoas são apenas uma massa de trabalhadores, que não precisa pensar em estado de bem estar social ou qualidade de vida.

Para o presidente do PROIFES é inaceitável uma reforma que altere o cálculo previdenciário de forma retroativa; reduza a aposentadoria especial dos professores do ensino básico; faça as populações mais pobres, que, em geral, fazem serviços braçais, trabalhar por 49 anos, e que iguale as regras para homens e mulheres, em um país em que a mulher ainda é obrigada a cumprir jornadas duplas ou triplas graças ao machismo estrutural.

Por tudo isso é preciso se informar sobre a Reforma da Previdência e debater socialmente. Clique aqui para acessar a apresentação da palestra de Eduardor Rolim. O PROIFES-Federação também publicou um longo artigo sobre o assunto, que você pode ler aqui, e uma cartilha sobre o histórico da Previdência, que você pode ver aqui. O Bordas, escritório de advocacia que atende a FASUBRA-Sindical e o SINDIEDUTEC, publicou bastante material sobre as mudanças, link aqui, e um infográfico que você pode baixar aqui.

32567719821_11c0b227cb_z

PROIFES pelo Brasil

A palestra em Curitiba foi a primeira de uma série que o presidente do PROIFES-Federação e o diretor de relações internacionais e diretor de políticas educacionais do PROIFES, Gil Vicente Reis de Figueiredo (ADUFSCar-Sindicato) realizarão em diferentes cidades e estados brasileiros.

Confira abaixo a programação:

Salvador

Na próxima sexta-feira, dia 10, o professor Gil Vicente Reis de Figueiredo (ADUFSCar-Sindicato), diretor de relações internacionais e diretor de políticas educacionais do PROIFES-Federação, estará em Salvador, na Bahia, para palestra sobre o mesmo tema, a convite da APUB-Sindicato, sindicato federado ao PROIFES.

Brasília e Pernambuco

No dia 23, quinta-feira, Brasília recebe o professor Eduardo Rolim, em evento realizado em parceria com a ADUNB. Já no mês de março, nos dias 7 a 9, Rolim participa do Ciclo de Palestras Reforma da Previdência: O que afeta a vida dos docentes, em Pernambuco, em evento promovido pela ADUFEPE. No dia 7 a palestra ocorre no Centro Acadêmico do Agreste, em Caruaru, pela manhã, e no Centro Acadêmico de Vitória,  em Vitória do Santo Antão, pela tarde. No dia 8 pela manhã, e no dia 9 no período da tarde, as palestras acontecem na sede da ADUFEPE em Recife, capital pernambucana.

Goiás

No dia 8 de fevereiro, o Ciclo de Debates será realizado na Regional Catalão, e no dia 9 em Goiânia. Em Catalão, o evento será às 14h30, no auditório Profª Lívia Abrahão do Nascimento (Bloco Didático II). O professor Eduardo vai debater com a presidente Estadual da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/GO), Ailma Maria de Oliveira.

Já em Goiânia, o evento acontece na Biblioteca Central da UFG, Campus Samambaia, a partir da 14h30. Além do presidente, Eduardo Rolim, a assessora jurídica do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Goiânia (Sindmetal-GO), Maria Eugênia Neves Santana também discute o assunto. O presidente da ADUFG-Sindicato, Flávio Alves da Silva, será mediador dos dois eventos. Toda a comunidade docente está convidada a participar.

Fonte: Via Proifes-Federação com informações de SINDIEDUTEC-Sindicato

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp
Close Menu