Jornal da Apub l A quem interessa a Reforma da Previdência?

Discurso do governo fala em combate a supostos privilégios e “déficit fiscal”, ocultando o verdadeiro significado da Reforma: a total desobrigação do Estado com a Seguridade Social

O governo de Jair Bolsonaro apresentou no dia 20 de fevereiro o texto oficial da sua Reforma da Previdência. Vendida – e comprada por muitos – como a imprescindível solução para os problemas fiscais do país, a PEC 06/2019 propõe uma mudança radical no próprio Sistema de Seguridade Social e do papel do Estado como garantidor de condições mínimas de dignidade a cidadãos e cidadãs após uma vida de trabalho. A PEC está calcada em dois eixos: por um lado, aumentar ao máximo os obstáculos para que o/a trabalhador tenha acesso ao benefício – este já em valor reduzido – e por outro, a destruição do sistema atual de repartição e solidariedade intergeracional, substituindo-o pela capitalização, no qual cada pessoa, individualmente, poupa parte do salário para a aposentadoria. Trata-se da inversão total dos princípios da Constituição de 88 e da transformação da aposentadoria de um direito de todos e todas para um privilégio de quem conseguir economizar. É o que alerta a Supervisora Técnica do Dieese na Bahia, Ana Georgina Dias: “haverá elevação do tempo de contribuição, aumento da idade mínima para aposentadoria e o piso para os benefícios da Assistência Social poderá ficar, em alguns casos, abaixo do Salário Mínimo. Ainda que se mantenha o sistema de repartição simples no Regime Geral da Previdência Social (INSS), o aumento do tempo de contribuição casado com o aumento da idade mínima podem ter o efeito de postergar tanto a aposentadoria que, simplesmente, muitos trabalhadores não conseguirão se aposentar. Isso é verdade especialmente para as mulheres e os trabalhadores rurais. Caso o sistema de capitalização seja instituído, a situação piorará sobremaneira. Um sistema de capitalização transfere para o trabalhador toda a responsabilidade pela sua proteção social. Num mercado de trabalho heterogêneo como o brasileiro, mesmo antes da Reforma Trabalhista que flexibilizou vários direitos, com o alto nível de rotatividade e o elevado desemprego, não é exagero supor que muitos trabalhadores ficarão ainda mais desprotegidos na velhice”. Cabe lembrar ainda que no sistema da capitalização, a gestão das economias dos/as trabalhadores/as é entregue a empresas privadas que aplicam no mercado especulativo. “Alguns países, a exemplo do Chile, que adotaram esse sistema, estão fazendo o caminho de volta, uma vez que o empobrecimento dos idosos chegou a níveis alarmantes”, afirma Ana Georgina.

Déficit?

Uma das justificativas para da Reforma seria o déficit do sistema Previdenciário – tanto no Regime Geral quanto nos Regimes Próprios. Essa é uma narrativa que desconsidera tanto como funciona o financiamento da Previdência Social quanto quais as razões para este suposto desequilíbrio fiscal. Conforme explica Ana Georgina, o artigo 195 da Constituição “diz que ‘a seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das contribuições sociais. A base ampla e diversificada de financiamento da Seguridade garante menor dependência das contribuições sobre os rendimentos do trabalho. Sendo assim, as receitas previdenciárias não são oriundas só das contribuições dos trabalhadores e empregadores. Desse modo, a ideia de déficit precisa ser vista com cautela, ainda que nos últimos anos tenha havido desequilíbrios entre receitas e despesas previdenciárias.” Uma das causas desse desequilíbrio são a própria crise econômica pós 2015 e a precariedade dos empregos, aprofundada pela Reforma Trabalhista, que empurra muitos trabalhadores para o mercado informal, sem contribuição para a Previdência. Em artigo publicado em março deste ano no portal ExtraClasse, a Coordenadora Nacional da Auditoria Cidadã da Dívida Pública, Maria Lúcia Fattorelli, esclarece que “a insuficiência de contribuições sociais não se deve a um problema no modelo de Previdência Social solidária, mas sim à “crise”, que no caso brasileiro foi fabricada pela política monetária do Banco Central, que quebrou inúmeras empresas, provocou desemprego recorde e derrubou o PIB. Empresas quebradas, desempregados e informais não contribuem para a Previdência. Esse é o problema, e não a longevidade das pessoas ou a solidariedade do modelo”, escreve ela.

Como ficam os/as professores/as?

Professores e professoras do Ensino Básico e do Magistério Superior sofrerão também impactos específicos, já que a Reforma pretende, na prática, extinguir as diferenças entre o Regime Geral e o RPPS (Regime Próprio da Previdência Social). Docentes que ingressaram no serviço após 2013, com a regulamentação da Funpresp, já recebem aposentadorias limitadas ao teto do Regime Geral. A Reforma ameaça a sustentabilidade da própria Funpresp, já que ela possibilita que o governo patrocine planos de previdência complementar dos bancos, gerando concorrência; além disso, servidores públicos que recebem acima do teto terão aumento progressivo da alíquota de contribuição, que pode chegar a 22%. Outro ponto é que a PEC modifica a forma de cálculo do benefício, prejudicando especialmente os/as servidores/as da 3ª geração (ingressantes entre 01/01/2004 e 03/02/2013) e da 4ª geração (ingressantes a partir de 04/02/2013) que são os que terão importante redução dos proventos de aposentadoria se não alcançarem 40 anos de contribuição (veja na página ao lado). Esses ataques servem à narrativa de que a Reforma estaria combatendo privilégios. “Talvez a parte mais ardilosa da guerra de comunicação que enfrentamos agora por causa da Previdência é a ideia de que quem é contra a Reforma tem privilégios. Porém, quem tem mais interesse nela é o mercado financeiro”, afirma a professora Raquel Nery, presidenta da Apub. “Os professores já pagam a alíquota de 11%, inclusive os aposentados. Há previsão de aumento, que pode chegar a 16,5%.  Mais 27,5% de imposto de renda, teríamos cerca de 43% do nosso salário comprometido, o que é praticamente um confisco de salário pelo Estado”, alerta. Para ela, a luta contra a Reforma da Previdência contém também em si a defesa da ideia de serviço público. “Quando nós, professores das Universidades públicas, lutamos contra a Reforma da Previdência, estamos pensando no serviço público. Nós representamos um setor que é parte dessa ideia de que o Estado deve funcionar de uma determinada maneira, deve prover determinados serviços. É a ideia de serviço público, de funcionamento do Estado que está sendo toda desmontada”, finaliza.                                                                                 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu