Artigo I Impactos da proposta de reforma previdência para Professores e Professoras dos Institutos Federais e Universidades públicas

Após semanas de especulação, o presidente Jair Bolsonaro entregou ontem (20) ao Congresso Nacional a sua proposta de Reforma da Previdência, elaborada pela equipe econômica comandada pelo Ministro da Economia Paulo Guedes. De inspiração ultraliberal, a proposta de Guedes e Bolsonaro segue a lógica de retração do Estado e das políticas de proteção e seguridade social. Por alterar cláusulas da Constituição Federal, a proposta tramita como uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) e, para ser aprovada precisa dos votos de pelo menos 308 dos 513 deputados na Câmara e de 49 dos 81 senadores. Entre as principais mudanças anunciadas pela PEC estão o estabelecimento de uma idade mínima para aposentadoria (62 anos para as mulheres e 65 para homens); além disso, determina a instauração de um sistema de capitalização, no qual cada pessoa economiza para pagar a própria aposentadoria, ao contrário do sistema de repartição atual. A reforma é especialmente prejudicial para as mulheres, inclusive mulheres professoras (docentes do ensino fundamental, por exemplo, terão que cumprir idade mínima de 60 e 30 anos de contribuição); para os trabalhadores do mercado informal e para idosos – que precisarão esperar até 70 anos para ter acesso do Benefício de Prestação Continuada. Abaixo, o detalhamento dos principais impactos, considerando a situação de docentes das IFES:

1 –   Tempo de contribuição de 30 anos para Professoras e Professores do Ensino Básico técnico e tecnológico e com idade mínima de 60 anos.

2 –    Tempo de contribuição 30 anos para Professoras e 35 Professores do Magistério Superior, sendo que a idade mínima de 62 anos e 65 anos respectivamente.

3 –    Os Servidores públicos para terem jus a aposentadoria terá de ter 20 anos de serviço público, 10 anos no cargo.

4 –   As alíquotas de contribuição previdenciária serão progressivas, variando de 7,5 a 22% do teto máximo da previdência social para os que ingressaram após 2013 e sobre a remuneração total para os que ingressaram antes de 2013.

5 –    Os aposentados e aposentáveis terão aumento na alíquota proporcional a sua remuneração total.

6 –    Proibição de acumulo de benéficos previdenciários

·         Na prática, os Professores e Professoras não poderão acumular aposentadorias, apesar de a legislação permitir acúmulo de vínculos empregatícios, desde que haja compatibilidade de horários. Por exemplo, o Profissional que é empregado da CHESF e Professor Universitário pode receber duas aposentadorias desde que atenda aos requisitos de tempo de contribuição; ou o profissional aposentado viúvo tem o direito de receber como pensão o valor da aposentadoria do cônjuge falecido. Na proposta de reforma da previdência fica vedado o acumulo de aposentadoria e o valor da pensão fica limitado ao valor de máximo de dois salários mínimos.

7 –    O cálculo do benefício previdenciário é a média dos 80% das 36 maiores contribuições para os professores e professoras que ingressaram no serviço público no período de 2003 a 2013. Na PEC, propõem que seja a média de todas as contribuições realizadas pelo beneficiário durante a sua vida laboral

8 –     Estabelecimento de uma regra de transição para aposentadoria, iniciando em 56 anos para professores e 52 para professoras, que irá aumentar gradativamente seis meses por ano atingindo, em 2022, 65 anos e 62 anos respectivamente para magistério superior e 60 anos independente de gênero para o EBTT.

9 –     Aposentadoria por incapacidade permanente será de 51% das médias de todas as contribuições do beneficiário. Atualmente é de 70% da média das trinta seis melhores contribuições.

10 – No caso de acidente de Trabalho, o benefício será 100 % da média de todas as contribuições, entendendo- se acidente de trabalho como aquele que ocorreu no local de trabalho.

11 – A pensão por morte será paga respeitando o item 2 e será limitada a 50 % para o conjugue e 10% para cada dependente até o limite máximo de 100%.

12 –   O tempo de duração da pensão por morte e as condições de cessação dos pagamentos das cotas seguirá as regras gerais da previdência social.

Ubiratan Félix
Professor do IFBA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu