NOTA DA ANFOPE BAHIA SOBRE A INTERRUPÇÃO DO PIBID

A ANFOPE – Associação Nacional pela Formação dos Profissionais em Educação, ao realizar seu XI Encontro Nacional de Formação dos Profissionais da Educação nos dias 21, 22 e 23 de novembro de 2017, na Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ reafirmou seus compromissos historicamente assumidos em defesa da Educação pública, de políticas de formação e valorização dos profissionais da Educação e dos princípios democráticos.

Neste sentido, ao recebermos o informe do FORPIBID (Fórum dos Coordenadores Institucionais do PIBID), veiculado nos últimos dias, com a decisão da CAPES em não prorrogar os Editais Capes n. 61 e 63/2013, que possibilitam as condições materiais do referido programa, reconhecemos uma grave consequência que culminará na finalização do PIBID já em fevereiro de 2018. Mesmo havendo previsão orçamentária para todo o ano de 2018, o MEC opta por descontinuar este importante programa de formação de professores, com o que não podemos concordar.

Ressaltamos que o PIBID, atualmente, conta com aproximadamente 70 mil bolsistas que desenvolvem trabalhos em parceria com 5 mil escolas, o que é de grande relevância social, com impactos positivos na formação inicial de professores e na Educação Básica. A medida da CAPES, além de atingir um número considerável de licenciandos, que perdem condições materiais para uma melhor formação, essa medida concorre para distanciar a universidade da escola pública, bem como, afeta as relações colaborativas constituídas nos últimos anos entre as universidades e unidades escolares que constroem o PIBID.

A ANFOPE, em especial na sua Secretaria no Estado da Bahia e na Direção Nacional, vem se pronunciando, juntamente com outras entidades cientificas, sindicais e movimentos populares contra as medidas destrutivas da Educação Pública, da Ciência e da Tecnologia, e nos posicionamos contra as reformas em curso, já aprovadas como a PEC 55 (PEC da Morte que congela investimentos nos serviços públicos), a reforma trabalhista e, a contrarreforma da Previdência. A medida que inviabiliza a continuidade do PIBID soma-se às demais medidas regressivas na Educação, Ciência e Tecnologia adotadas pelo Governo de Michel Temer.

Deste modo, a ANFOPE reivindica que os dirigentes da CAPES mantenham em vigor os Editais Capes n. 61 e 63/2013, que possibilitam as condições materiais do referido programa continuar existindo.

Salvador, 08 de fevereiro de 2018.

Coordenação da ANFOPE BAHIA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu