PROIFES sedia reunião de afiliadas brasileiras à IEAL que define ações estratégicas para 2015

O PROIFES-Federação, a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) e a Contee (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino), entidades brasileiras filiadas à IEAL (Internacional de Educação da América Latina), discutiram nesta quarta-feira (4) o cronograma de atuação para 2015.
Entre os eventos com participação ativa das entidades está a Conferência Regional da IEAL, que acontecerá de 3 a 8 de maio no Chile. A Conferência, que tem caráter eleitoral e escolherá a nova direção da entidade, terá igualmente a presença da Presidente e do Ministro da Educação chilenos, do Ministro da Educação da Bolívia, e de representantes da Suécia, Noruega, Estados Unidos e Espanha.
As entidades filiadas à IEAL também estarão presentes na 7ª Conferência Mundial da Internacional da Educação, marcada para 21 a 26 de julho, em Ottawa,  no Canadá, evento que decidirá as políticas e estratégias que a organização implementará ao longo dos próximos quatro anos além de eleger a nova direção mundial.
O PROIFES já encaminhou propostas de emendas para temas que serão discutidos na conferência. Entre elas, a elaboração de diagnóstico geral das condições de trabalho dos docentes de todos os níveis e criação de grupo de trabalho para análise dos dados gerados. Sugeriu ainda outro grupo de trabalho para avaliar de maneira mais precisa as necessidades financeiras da educação.
Entre as proposições da CNTE é importante citar a cobrança por política de acompanhamento e assistência às vítimas de violência baseada em gênero na escola, e um pedido de revisão da recomendação da OIT/UNESCO sobre os trabalhadores das instituições de ensino (professores e profissionais administrativos) com objetivo de incluir recomendações mais específicas sobre o ambiente escolar apropriado.
O presidente, o Diretor de Relações Internacionais e de Aposentadoria do PROIFES, Eduardo Rolim de Oliveira, Gil Vicente Reis de Figueiredo e Nilton Brandão, respectivamente; a Secretária Geral da CNTE, Marta Vanelli e a secretária de Relações Internacionais da CNTE e vice-presidente do Comitê Regional da IEAL, Fátima Silva, além da coordenadora-geral da CONTEE, Madalena Guasco, ainda fizeram uma análise das conjunturas nacional e internacional, dando especial atenção ao assunto da privatização da educação a exemplo do crescimento de grupos como Pearson e Kroton.
Para aprofundar as discussões no tema, foi proposto um Seminário sobre Privatização no Brasil entre 21 a 25 de setembro, em São Paulo, com o objetivo de reunir especialistas para discutir, tanto os dados já disponíveis, como a produção de novos estudos na área. O PROIFES sugeriu criar grupo de trabalho com representantes de cada uma das entidades afiliadas para compilar, consolidar e analisar dados sobre privatização para apresentá-los na ocasião.
Por fim, o professor Eduardo Rolim fez um resumo das principais ações do PROIFES para este ano. O presidente falou sobre a nova diretoria da federação, sobre a Campanha Salarial 2015 e sobre o posicionamento a respeito das MPs 664 e 665 (saiba mais). Na sequência, tanto as representantes da CNTE quanto da Contee traçaram o panorama das lutas de suas entidades em 2015, que inclui as greves que estão ocorrendo nas redes estaduais como no Paraná, e a luta pela aprovação do INSAES, grande bandeira da CONTEE como um instrumento da regulação do ensino privado no Brasil. As três entidades reafirmaram seu compromisso de manterem as ações em conjunto, sobretudo em temas comuns de todos os trabalhadores, como a rejeição às MPs 664 e 665. O próximo encontro das três entidades, em 7 e 8 de abril, na sede da CNTE, abarcará especificamente as questões da privatização da educação no Brasil e no Mundo, e serão avaliadas a compra de escolas por empresas de educação e transferências monstruosas de recursos públicos para instituições privadas, como ocorre no FIES e no PRONATEC.

O PROIFES-Federação, a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) e a Contee (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino), entidades brasileiras filiadas à IEAL (Internacional de Educação da América Latina), discutiram nesta quarta-feira (4) o cronograma de atuação para 2015.Entre os eventos com participação ativa das entidades está a Conferência Regional da IEAL, que acontecerá de 3 a 8 de maio no Chile. A Conferência, que tem caráter eleitoral e escolherá a nova direção da entidade, terá igualmente a presença da Presidente e do Ministro da Educação chilenos, do Ministro da Educação da Bolívia, e de representantes da Suécia, Noruega, Estados Unidos e Espanha.As entidades filiadas à IEAL também estarão presentes na 7ª Conferência Mundial da Internacional da Educação, marcada para 21 a 26 de julho, em Ottawa,  no Canadá, evento que decidirá as políticas e estratégias que a organização implementará ao longo dos próximos quatro anos além de eleger a nova direção mundial. O PROIFES já encaminhou propostas de emendas para temas que serão discutidos na conferência. Entre elas, a elaboração de diagnóstico geral das condições de trabalho dos docentes de todos os níveis e criação de grupo de trabalho para análise dos dados gerados. Sugeriu ainda outro grupo de trabalho para avaliar de maneira mais precisa as necessidades financeiras da educação.Entre as proposições da CNTE é importante citar a cobrança por política de acompanhamento e assistência às vítimas de violência baseada em gênero na escola, e um pedido de revisão da recomendação da OIT/UNESCO sobre os trabalhadores das instituições de ensino (professores e profissionais administrativos) com objetivo de incluir recomendações mais específicas sobre o ambiente escolar apropriado.O presidente, o Diretor de Relações Internacionais e de Aposentadoria do PROIFES, Eduardo Rolim de Oliveira, Gil Vicente Reis de Figueiredo e Nilton Brandão, respectivamente; a Secretária Geral da CNTE, Marta Vanelli e a secretária de Relações Internacionais da CNTE e vice-presidente do Comitê Regional da IEAL, Fátima Silva, além da coordenadora-geral da CONTEE, Madalena Guasco, ainda fizeram uma análise das conjunturas nacional e internacional, dando especial atenção ao assunto da privatização da educação a exemplo do crescimento de grupos como Pearson e Kroton.Para aprofundar as discussões no tema, foi proposto um Seminário sobre Privatização no Brasil entre 21 a 25 de setembro, em São Paulo, com o objetivo de reunir especialistas para discutir, tanto os dados já disponíveis, como a produção de novos estudos na área. O PROIFES sugeriu criar grupo de trabalho com representantes de cada uma das entidades afiliadas para compilar, consolidar e analisar dados sobre privatização para apresentá-los na ocasião.Por fim, o professor Eduardo Rolim fez um resumo das principais ações do PROIFES para este ano. O presidente falou sobre a nova diretoria da federação, sobre a Campanha Salarial 2015 e sobre o posicionamento a respeito das MPs 664 e 665 (saiba mais). Na sequência, tanto as representantes da CNTE quanto da Contee traçaram o panorama das lutas de suas entidades em 2015, que inclui as greves que estão ocorrendo nas redes estaduais como no Paraná, e a luta pela aprovação do INSAES, grande bandeira da CONTEE como um instrumento da regulação do ensino privado no Brasil. As três entidades reafirmaram seu compromisso de manterem as ações em conjunto, sobretudo em temas comuns de todos os trabalhadores, como a rejeição às MPs 664 e 665. O próximo encontro das três entidades, em 7 e 8 de abril, na sede da CNTE, abarcará especificamente as questões da privatização da educação no Brasil e no Mundo, e serão avaliadas a compra de escolas por empresas de educação e transferências monstruosas de recursos públicos para instituições privadas, como ocorre no FIES e no PRONATEC.

Leia mais sobre a reunião aqui.

Fonte: Proifes

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu